sábado, 27 de dezembro de 2014



Volcano...







     Há uma errupção de paixão
     Um ocre cheiro a lava 
     Doce, amor...

     Há um abraço entre corações
     Um sôfrego enlace
     Sem dor...

     E se nesse olhar a cércea
        Do meu ser se afere
           Como se fora
              Súbdito...

     Como se fora um náufrago
        Mergulho no sonho
                Para te fruir
             Forever...

     
     
























































































































































































































































































     

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014



                        " Nú em teu corpo..."                               







Tomamos cada recanto, desnudos
Teus cabelos soltos do dúbio véu da vida
Abriste-me a imensidão dos ebúrneos campos 
Que sem limites cultivo e rego feito fera desabrida...

Respiras o ar que te instilo
Saboreias cada sopro, cada beijo
Raro êxtase que se agiganta de tempo
Urdindo os secretos ritos do pensamento...

Trazes um rosto espelhado nos dentes
Gritas esse nome num intervalo perfeito
Gozas sem margens numa torrente de cio

Te acorrento a um céu de estrelas cadentes
Descubro teu ventre enquanto beijo teu peito
E da imperfeição das horas fizemos um leito rio...








segunda-feira, 24 de novembro de 2014

"Espiral do Tempo"...




       Ser de quantas esferas,espiral doTempo 
      Busco em ti os lugares que percorreste 
      Nessa simples e singela complexidade
      Te acolho desnuda no pensamento 

      Ser de outras eras,filha de tantas terras
      Desferes teu punho no meu peito
      Rasgando com as tuas unhas 
      A própria causa e o efeito




    
      Bebes meu sangue ainda quente
      Num pacto divino,sublime
      Tão pura e alva,insigne
    
       Veneras assim o teu mestre
       Mulher de loucas antíteses
       Última trama dos deuses...
     
     


      




           "Tomei-te assim,dono e senhor..."


Tomei-te assim
Como teu dono e senhor
Esse corpo em fissão
Essa luxúria vulcão
Quisera poder selar o desejo
Enlear-me em cada beijo
Como se fizessemos amor
Da lava que jorras para mim...

Quanta devassa e tortura
Quantos desejos calados no tempo
Lugares de bruma em pensamento
Tórridos quadros guardados na mente
Ogivas de prazer explodindo no espaço
Como se fora um toque meu em teu regaço
Jura que te me ofereçes mesmo ausente
Na última das heresias da Loucura...







quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Minha musa,meu piano..."








           Te preciso...
        Te vivo e te sinto 
        Assim,amor
        Numa insana loucura
        Tão intensamente bela
        Tão torrencialmente pura

       Amo amar-te 
       Guardar-te
       Assim,amor
       Neste Todo sublime que nos inunda
       De luz e alimenta o vulcão eterno
       Da nossa Paixão...

       Sempre teu
       Sempre minha...
       Minha música,nossa paixão.

       


terça-feira, 18 de novembro de 2014

"Mulheres servis..."







             
                                                     " Mulheres servis..."


Chamei-vos ao covil
Para vos falar do sonho
Da loucura que fervilha no sangue
Ígneo deste homem fadado e medonho...

Misturei no destino
Uma porção de codícia
Agitei como quem prepara
E acalenta o mais caro dos vinhos 

Escravas assim eleitas 
Desbragada ânsia vos toma
Na consumação do instinto bárbaro

Mulheres servis, perfeitas
Amarro-vos a esta espécie de coma
Sórdido... louco sacrilégio intenso e raro








segunda-feira, 27 de outubro de 2014




  •                                            "Amanhecer..."                                                  


































Amanheci quase sem anoitecer...
A pensar em ti,sob o orvalho 
De um sonho acordado
Queria-te aqui como um sol na noite
Como uma estrela em dia sem nuvens
E sem sombras,nessa luz que de ti irradia
Te amei em silêncio e gritei
Porque senti que me ouvias...
Bom dia
Amor...


sábado, 25 de outubro de 2014



                 

            "Fugi do sonho ...para saber de ti"

Havia um conluio confuso
Na esconsa sacada do sonho
O vento sibilino acariciava despudorada
E sôfregamente a incorpórea textura da noite 
Escura...

Sentia que o sonho se abria
Por dúbios caminhos, veredas de espinhos 
Que não me aportavam de todo
Ao cúmplice espaço tempo
Da nossa desbragada
Loucura...

Sabia que o tempo
Se alimentava das almas
Que o destino se empanturrava
De olhos,de gritos roucos e de espasmos
Torrenciais,de desabridas cadências 
Sábia e oficialmente
Impuras...

Não vou voltar ao sonho
Vou-me banhar nas nascentes
Rebolar nos pastos fartos, idílicos,
No ímpio paraíso que enfim transcrevo
Te algemei,quero-te,exigo-te aqui, agora
Tão real e deslumbrante,gravada na minha pele 
Te aguardo aqui amor e te aperto a mão com força.
Seguras?




quarta-feira, 22 de outubro de 2014

"A noite ficou escura,amor..."




"Prenhe de sonhos, ao espelho me revi ..."



                           Esta noite foi tão escura,amor
               Vestiu-se de um intenso breu
               Pela estranha ausência
               De ti

               Chamei as estrelas pelo nome
               Uma a uma, daquele jeito
               Que me ensinaste
               E aprendi

               Como se tortura a alma
               Prenhe de sonhos,
               E ao espelho
               Me revi

               Chorando em teu peito
               Macio, de semi-deus
               Subitamente renasci
               E me sublimei
               Em ti...
                                                               M.Loures


               
               

terça-feira, 21 de outubro de 2014

"Fascínios da noite..."



    
                  Fascínios da noite..."


Hoje amei-te na noite
Pairei embevecida
Sobre o teu rosto
Divinalmente
Cândido
E meu...

Estavas sereno
Adormeceste sorrindo
Numa réplica quase perfeita
Daquele sorriso que idolatras
E que daqui a pouco
Te acenderá
O dia...

Foi assim que te tive

No aconchego do olhar
Na clandestia sapiência da alma
Desculpa se me servi de ti
Mas foi assim esta noite
Assumo sem rodeios
Te adorei,te fruí
Torrencialmente
Me embriaguei
De ti...

                            M.Loures

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

"Minha música,minha paixão"




              
                "Minha música,minha paixão"



Arranquei cada rótulo com estranha serenidade
Precisava mostra-lhes que não era assim
Meu singelo e doce pedaço de mim
Não serás mais item,subproduto ou vaidade

És a minha Música.
Moras no meu coração
Como quem nina uma criança
Afagas-me a alma num sopro de canção

Subtraí-te dos escaparates dos homens
Para te guardar pra mim
Ficas aqui, sózinha?

Deixo-te sair pra rua
Mas promete-me...
Que és minha.















terça-feira, 14 de outubro de 2014

"Teu mar lascivo..."




             "Teu mar lascivo..."

                       Vivo em teu peito mar
                       Oceano mais que divino
                       Vago na onda infinita
                       Sem norte e sem tino

                       Envolves-me insana 
                       Em teus braços de estrela
                       Espasmos mil te fazem anémona
                       Regurgitas-me, engoles

                       E de novo me expeles
                       Sádicamente doce
                       Num louco frenesim de espuma

                       Transcendental festim
                       Com agridoce sabor
                       A mim ...

                       

domingo, 5 de outubro de 2014

"Mulher..."





            Mulher...

Mulher te beijo num tácito tremor
Num relapso súbito de espaço tempo
Num tempo sem espaço de tão prenhe de ti
De tão sumo de nós...

E nesta súbita torrente
Que de ti em mim se adensa

Escorres agora em luxúria,intensa
Por entre os meus dedos húmidos...

Te beijo assim ao luar sem pudor
Como se te beijasse o sexo
Como se te fizesse...
Amor

terça-feira, 30 de setembro de 2014

"Loucura e devassa..."



     " Loucura e devassa..."



Descobri o teu corpo
Naquele canto abandonado
Suado e desnudo, manchado
De um negro óleo
Viscosamente
Espúrio...

Estavas inerte,frágil
Cansada do turno da noite
E o sangue toldava-te a visão
Odeio os homens que te olharam
Desflorando esse corpo ainda virgem 
E na ressaca da ignorância  te violaram

Reergue-te das cinzas,liberta a raiva
Exorciza o medo e a devassa 
Agarra esse momento 
Esse vento que passa
E faz da loucura 
A luz mais pura
O teu alento

terça-feira, 16 de setembro de 2014



Vontade...
Desejo louco de um beijo
Vontade...
O brilho dos olhos se te vejo

Vontade...
Ceifar a eira do tempo sem beira
E ao mar da saudade
Te resgatar inteira...

Vontade...
Saborear-te a língua,beijar teus pés
Percorrer o teu ser de lés a lés
Arrancar as pilhas do gps
E gritares a cada beijo 
Que eu te desse...






terça-feira, 9 de setembro de 2014

"Toma...esta é a minha boca!"

    Amarra-me
    Arrasta-me pelo chão
       Toma-me desabrida
    
    Quero-te
    Sem limites,meu tesão
    Nesta boca entumescida

    Porquê toda esta loucura
    Esta infrene descompostura
    Como se fosses o meu Vesúvio
    Me desflorando a cada eflúvio...  
     
    Macho louco
    De grito rouco
    Dá corda ao meu desejo
    Mata-me com este beijo...

    
    
    
    

    

quinta-feira, 4 de setembro de 2014



             " Na tua boca..."

Na tua boca
Havia um rio
Uma torrente
Um desvario...

Na tua boca
Havia um leito
Lascivo e doce
Um desafio...

Na magia do momento
Um frémito, tormento
Transcendente

Pela mistura das salivas
Explosão perfeita
Incandescente...

terça-feira, 2 de setembro de 2014



                 O teu abraço...

Hoje pedi um desejo
Mas a fada que eu queria
Para além de um simples beijo
Não se alargou na magia...

Um abraço apertado
Boca colada ao pescoço
Cabelos num cacho desalinhado
Sorriso matreiro,de moço

Quis ficar assim,eterno
Como um rio gelado
No teu inverno...

Mas a fada acordou
E num repente me fez vulcão
Desordenadamente louco,um orgasmo... 
J
  O
    R
      R
        O
           U



quarta-feira, 20 de agosto de 2014

"Linguajar de leão..."



Bom dia leoa,como vais?
Tal qual prometi, sonhei contigo
Transcendental viagem, castigo
Louco,transversalmente,por detrás...

A boca pede de novo a tua boca
O sexo lânguido está ávido do teu
Básico desejo, vontade louca
Ansia desse corpo roçando no meu

Não fugimos, está inscrito
Pelos trilhos, no caminho
Alastra o fogo, ardendo

E assim espero teu grito
Insano, cruel e clandestino
Mágico desatino em crescendo...

quinta-feira, 10 de julho de 2014





                     "I love to be your Slave"
I love to be your slave
The excipient and the sweetener
A true delight relieved
After another day
Narrow and lonely…
I like to be your slave
When you spike your nailsIn my neck tired by serving you
And i cry because i know you like
To feel that you are the queen of Earth
The one, who makes me kiss when
I´m swished handcuffed in your bed

And when finally you loose me
Pleased and more than served
You unleash a kiss tied
To the pier of our passion
That shelters me like a slave ship
Stranded in this backwater river just like
You…

segunda-feira, 30 de junho de 2014



                 "O cio dos homens"

Esperava por ti, fêmea...
Inquieto,cheirando sem norte
O chão de estrelas do meu covil
Desceste a montanha, mágico desejo
Sedenta e lustrosa,trazendo na boca molhada
A saliva doce que servilmente misturas  no meu suor

Arrasto-te num súbito frémito, violento,para te sentir
Tremer, num estertor de medo que se transmuta em gozo
Puro, os sentidos em sentido delírio dos homens sem sentido
Provocação sem limites ao bafio das leis sem côr, corpo marcado
A ferro e fogo,sublimada neste caminho de fulvo mato por onde te levo 
Desnuda,rasgada,tomada de mim,sangrando ainda de uma mais que
Perfeita refrega,o cio do homem macho,sacrílego animal
Sem limites no meu máximo denominador 
Incomum, despojado de tudo
E todos,repasto do sonho
Moldado em nós 
Desabrido
Em ti...
  


terça-feira, 24 de junho de 2014




           Mulher de maré...
  
Mulher de outras tantas marés
Mulher sedenta,tomada em desejo
Esperando a onda para se banhar na espuma
Súplicando a fúria dos deuses,ao ímpio vento
Se oferecendo,nua,cabelos revoltos,sexo húmido
Num sopro de beijo fatal rasgando perversa
O mais ardente e lúbrico raio do rei Sol ...

sexta-feira, 6 de junho de 2014



                 "Omnes Feminam"

A fêmea total
Espécime raro,desejado
Perdido algures na inconfessável
Vastidão da mente
No meu ubíquo e devasso
Subconsciente

A fêmea total
Te recebe de olhar fatal
Pronta para te servir,carnal
Depois de andar fugida na selva
Procurando o teu cheiro,sem nexo
Sorvendo em cada folha o orvalho, 
O teu sexo

A fêmea total
Está aqui...Serás tu,serei eu
Seremos todos parte da loucura
Queria esmaga o tosco pudor da raça
Definhar... não vou deixar, é espúrio e fraco
É aquele minuto que passa e te transforma em trapo
Com traça

A fêmea total
Obedece ao desígnio
Sublime de ser fadada para amar
Para servir seu amo,doce e por vezes bruta
Para se dar desabrida e aberta,no feitiço da gruta
Que criaste algures em  sacrilégio divino
Para me encantar...




sexta-feira, 30 de maio de 2014



       
      “Dúbios caminhos de breu…”
             (Minha escrava)

Há um certo caminho, dúbio
Em que sempre me encontras
No escuro do breu que te leva
Sem rumo aparente, subjugada,
Ao turvo e distante
Saguão da minha mente…

És a minha escrava
Serva dos meus desvelos
Prisioneira dos meus encantos
Te escravizo de gozo, te agrilho de sonhos
E quando gritas, há um eco insano
que se subleva nas montanhas
e logo se precipita em jorro farto,imenso,
última representação telúrica da insondável submissão  
do Eu...


quinta-feira, 22 de maio de 2014



                .
                            ."DisserTesão"

        Concebo apenas o súbito
        Jorrar dessa lava quente
        Que me devora neste instante
        Como sendo a face visível do vulcão
        Dos mil sóis que inexoravelmente
        Alimentas de lascívia e paixão
        E nessa poderosa fornalha
        Nasce o mais imponderado
        E lúbrico dos sentimentos
        Uma vontade,um frémito
        A que ousei chamar
        Tesão

        Um caminho infinito
        Que percorro sem descanso
        Num vai e vem consentido
        Palmilhando todos os trilhos
        Que vou desbravando em ti
        Tesão

        Há um rio que nasce
        No exacto momento
        Em que toco tua nuca
        Que vou beijando em círculos
        Gozando em cada poro que penetro
        Sem pressas porque em tua foz de luxúria
        Repousa o desejo que num desenlace ou êxtase
        Nos afogará na loucura do prazer supremo, adorável
        Tesão

        E assim cheguei ao fim
        Pela fímbria, desenfreado
        Para te reencontrar no núcleo
        Caldeirão de delírios nossos, magma
        Explodindo nessa cúmplice erupção
        Definitivamente nosso...
        Tesão...

quinta-feira, 1 de maio de 2014

"Sim,amor..."




Sim, amor
Como eu sei que sim
Que me sentiste furtivamente
Certamente porque …eu estive aí contigo
E na percepção de cada momento dessa viagem
Fui torrente, fui jorro, fui palavra e renasci poema.
Na orgia dos sentidos tomei-te de assalto, de mansinho
Apoderei-me dos lóbulos para descer pelos relevos do pescoço
Tremeste com o som cavo dos meus dentes, cravados sim
Mas naquele mordiscar de gato com ânsias do dono
Percorri teu dorso relendo cada saliência, trémula
Tua pele moldava-se numa suprema escultura
Em minhas mãos de mestre, teu mestre
Guerreiro de uma guerra consentida
E eterna, sem sangue mas Nossa!
Como sangrava o teu coração
Quando morreste por mim
Para renascer diáfana
Numa flor de lótus
Flutuando
Em mim…


domingo, 27 de abril de 2014

"Loucamente minha..."


Loucamente minha…
que mulher te fizeste
disponível para me amar
assim…
como eu sou rico
completo, repleto
desse ser que transborda de ti.
Estás brilhante,paixão
e a crueldade
realmente
existe
neste momento sinto-a
cravando esporas em mim
cavalgando o meu desejo
deuses loucos estes
que me fazem pagar assim esta dádiva
mulher
fêmea
eu sei, estás pronta
para mim
mas não te posso tomar…
Sem mais palavras
te adoro
vem cá
vem cá!
te desejo
te preciso
te quero
estou sofrendo agora
com o que me ofereces
assim morro
e sem falsa modéstia
reconheço
incrível
o belo existe
e é feito de nós
tu respiras e brilhas
e açoitas- me os sentidos
nesse teu jeito de mulher divina
criada por e para mim
teu deus na terra
por isso te espero aqui
agora
nesta ânsia
imensa
de ti…