segunda-feira, 27 de outubro de 2014




  •                                            "Amanhecer..."                                                  


































Amanheci quase sem anoitecer...
A pensar em ti,sob o orvalho 
De um sonho acordado
Queria-te aqui como um sol na noite
Como uma estrela em dia sem nuvens
E sem sombras,nessa luz que de ti irradia
Te amei em silêncio e gritei
Porque senti que me ouvias...
Bom dia
Amor...


sábado, 25 de outubro de 2014



                 

            "Fugi do sonho ...para saber de ti"

Havia um conluio confuso
Na esconsa sacada do sonho
O vento sibilino acariciava despudorada
E sôfregamente a incorpórea textura da noite 
Escura...

Sentia que o sonho se abria
Por dúbios caminhos, veredas de espinhos 
Que não me aportavam de todo
Ao cúmplice espaço tempo
Da nossa desbragada
Loucura...

Sabia que o tempo
Se alimentava das almas
Que o destino se empanturrava
De olhos,de gritos roucos e de espasmos
Torrenciais,de desabridas cadências 
Sábia e oficialmente
Impuras...

Não vou voltar ao sonho
Vou-me banhar nas nascentes
Rebolar nos pastos fartos, idílicos,
No ímpio paraíso que enfim transcrevo
Te algemei,quero-te,exigo-te aqui, agora
Tão real e deslumbrante,gravada na minha pele 
Te aguardo aqui amor e te aperto a mão com força.
Seguras?




quarta-feira, 22 de outubro de 2014

"A noite ficou escura,amor..."




"Prenhe de sonhos, ao espelho me revi ..."



                           Esta noite foi tão escura,amor
               Vestiu-se de um intenso breu
               Pela estranha ausência
               De ti

               Chamei as estrelas pelo nome
               Uma a uma, daquele jeito
               Que me ensinaste
               E aprendi

               Como se tortura a alma
               Prenhe de sonhos,
               E ao espelho
               Me revi

               Chorando em teu peito
               Macio, de semi-deus
               Subitamente renasci
               E me sublimei
               Em ti...
                                                               M.Loures


               
               

terça-feira, 21 de outubro de 2014

"Fascínios da noite..."



    
                  Fascínios da noite..."


Hoje amei-te na noite
Pairei embevecida
Sobre o teu rosto
Divinalmente
Cândido
E meu...

Estavas sereno
Adormeceste sorrindo
Numa réplica quase perfeita
Daquele sorriso que idolatras
E que daqui a pouco
Te acenderá
O dia...

Foi assim que te tive

No aconchego do olhar
Na clandestia sapiência da alma
Desculpa se me servi de ti
Mas foi assim esta noite
Assumo sem rodeios
Te adorei,te fruí
Torrencialmente
Me embriaguei
De ti...

                            M.Loures

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

"Minha música,minha paixão"




              
                "Minha música,minha paixão"



Arranquei cada rótulo com estranha serenidade
Precisava mostra-lhes que não era assim
Meu singelo e doce pedaço de mim
Não serás mais item,subproduto ou vaidade

És a minha Música.
Moras no meu coração
Como quem nina uma criança
Afagas-me a alma num sopro de canção

Subtraí-te dos escaparates dos homens
Para te guardar pra mim
Ficas aqui, sózinha?

Deixo-te sair pra rua
Mas promete-me...
Que és minha.















terça-feira, 14 de outubro de 2014

"Teu mar lascivo..."




             "Teu mar lascivo..."

                       Vivo em teu peito mar
                       Oceano mais que divino
                       Vago na onda infinita
                       Sem norte e sem tino

                       Envolves-me insana 
                       Em teus braços de estrela
                       Espasmos mil te fazem anémona
                       Regurgitas-me, engoles

                       E de novo me expeles
                       Sádicamente doce
                       Num louco frenesim de espuma

                       Transcendental festim
                       Com agridoce sabor
                       A mim ...

                       

domingo, 5 de outubro de 2014

"Mulher..."





            Mulher...

Mulher te beijo num tácito tremor
Num relapso súbito de espaço tempo
Num tempo sem espaço de tão prenhe de ti
De tão sumo de nós...

E nesta súbita torrente
Que de ti em mim se adensa

Escorres agora em luxúria,intensa
Por entre os meus dedos húmidos...

Te beijo assim ao luar sem pudor
Como se te beijasse o sexo
Como se te fizesse...
Amor